Pesquisar
Close this search box.

Cooperação ou competição? O que é melhor para o sucesso da carreira?

Descubra o equilíbrio perfeito entre cooperação e competição em sua carreira. Saiba como a ambição e o egoísmo moderados podem contribuir para seu sucesso profissional.
Facebook
Twitter
LinkedIn

No mundo profissional, muitos se deparam com o dilema entre cooperação e competição. Ambos os caminhos têm seus méritos, mas qual é o melhor para o sucesso da carreira? Além disso, como a ambição e o egoísmo, em diferentes graus, podem impactar a trajetória profissional? Vamos explorar essas questões à luz de pesquisas e opiniões de especialistas.

Competir ou cooperar?

Cooperação e competição não precisam ser independentes, exclusivas, mas sim complementares. A colaboração é fundamental para criar um ambiente de trabalho saudável e promover o crescimento mútuo. Pesquisas como as de Adam Grant, autor do livro “Dar e Receber”, demonstram que profissionais que compartilham conhecimentos tendem a alcançar níveis mais elevados de sucesso a longo prazo.

Com base em seus estudos pioneiros, Grant revela que, ao contrário do que muitos pensam, as pessoas mais bem-sucedidas, nas mais variadas carreiras, não são as mais egoístas e implacáveis, nem as que agem com base no “toma lá dá cá”. Os que chegam mais longe são os doadores.

No entanto, a competição também desempenha um papel vital. A competição saudável pode contribuir para a motivação e a excelência. A psicóloga Angela Duckworth, autora de “Grit (ou Garra): O Poder da Paixão e da Perseverança”, argumenta que a garra pode ser um estímulo para desenvolver habilidades e alcançar objetivos.

“Não importa o domínio, os altamente bem-sucedidos têm uma espécie de determinação feroz (…) É essa combinação de paixão e perseverança que faz deles grandes realizadores. Em uma palavra, eles têm garra”, explica.

A chave é encontrar um equilíbrio entre essas duas abordagens. A competição pode ser uma fonte de motivação, mas não deve se tornar um jogo de soma zero, em que o sucesso de um significa a derrota de outro. A cooperação pode gerar networking, conhecimentos e aprendizagem conjunto.

Ambição: o motor do sucesso ou a causa da ruína?

A ambição, em doses moderadas, é frequentemente vista como um motor para o sucesso. Especialistas como Carol Dweck, autora de “Mindset: A Nova Psicologia do Sucesso”, afirmam que a busca do crescimento – alimentada pela ambição – é crucial para o desenvolvimento profissional contínuo.

Para a autora, a atitude com que encaramos a vida, que ela chama de “mindset”, é crucial para o sucesso. Dweck revela como o sucesso pode ser alcançado pela maneira como lidamos com nossos objetivos. O mindset não é um mero traço de personalidade, é a explicação de por que somos otimistas ou pessimistas, bem-sucedidos ou não. Ele define nossa relação com o trabalho e com as pessoas e a maneira como educamos nossos filhos. “É um fator decisivo para que todo o nosso potencial seja explorado.”

No entanto, a ambição desenfreada pode ter consequências negativas. A busca incessante pelo sucesso a qualquer custo pode levar ao estresse, esgotamento e até mesmo à alienação de colegas de trabalho. Adam Grant sugere que é importante equilibrar a ambição com a generosidade e a preocupação com o bem-estar dos outros.

Egoísmo: um delicado equilíbrio

O egoísmo, em qualquer grau, geralmente é considerado prejudicial à carreira profissional. O psicólogo Robert Cialdini, autor de “Influência: A Psicologia da Persuasão”, argumenta que a cooperação e a reciprocidade são fundamentais para construir relacionamentos profissionais. Ser egoísta pode minar esses relacionamentos e quebrar a confiança.

No entanto, um egoísmo moderado, no sentido de cuidar de si mesmo e da sua própria saúde mental, é essencial. Em um ambiente de trabalho cada vez mais competitivo, é importante estabelecer limites e priorizar o bem-estar pessoal para evitar o esgotamento.

Em “Seja egoísta com sua carreira”, Luciano Santos argumenta que muitas vezes a causa da infelicidade está ligada ao modo como conduzimos – ou deixamos de conduzir – nossa carreira, “e é por isso que precisamos assumir o protagonismo da nossa vida profissional”.
Segundo o autor, tomar essa atitude significa priorizar suas necessidades, seus anseios e tudo que o faz feliz!

Ele acrescenta: “Assumir o controle da sua vida profissional é um passo para uma jornada desafiadora e, por vezes, desconfortável, mas, certamente, os resultados serão tão surpreendentes quanto as perspectivas que se abrirão para você”.

O equilíbrio é a resposta

Na última análise, a cooperação e a competição podem coexistir e beneficiar uma carreira profissional. A ambição é um motor poderoso quando equilibrada com generosidade e consideração pelos outros. Quanto ao egoísmo, um equilíbrio é necessário para manter relacionamentos saudáveis ​​e cuidar de si mesmo.

Para o sucesso na carreira, é importante buscar orientação e inspiração em especialistas renomados, como Adam Grant, Angela Duckworth, Carol Dweck, Robert Cialdini e Luciano Santos. Eles fornecem insights valiosos sobre como equilibrar esses elementos e trilhar o caminho para uma carreira profissional de sucesso, em que a cooperação, a competição, a ambição e o egoísmo moderado se entrelaçam harmoniosamente.

PARA LER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO

DAR E RECEBER

GARRA: O poder da paixão e da perseverança

INFLUÊNCIA: A Psicologia da Persuasão

SEJA EGOÍSTA COM SUA CARREIRA

2 respostas

  1. Excelente artigo! A abordagem é objetiva e de fácil entendimento! De fato, o equilíbrio muda o contexto e o jogo para se atingir o sucesso. Muito interessante esse ponto de vista e aprendi bastante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PRIVACIDADE - Quando você faz um comentário, publicamos apenas sua avaliação dos textos e seu nome. Seu e-mail não é divulgado, nem repassado para terceiros.

Serenidade e felicidade: como alcançar bem-estar emocional sustentável

Neste artigo, exploramos a busca pela felicidade na perspectiva de renomados filósofos como Norberto Bobbio e Luc Ferry, enfatizando a importância da serenidade como um estado mais sustentável e realista de bem-estar emocional. Discutimos como a serenidade, um equilíbrio interior perante as adversidades, pode ser cultivada através de práticas como mindfulness, meditação, exercícios físicos e manutenção de relações significativas. Também destacamos insights da psicologia positiva e da neurociência, sugerindo que a felicidade deriva da combinação de emoções positivas, engajamento, relações profundas, propósito e realização. Este enfoque holístico sugere que, embora a felicidade possa ser efêmera, a serenidade é um alicerce firme para uma vida plena e satisfatória.

Leia mais »